Home Destaque Metalúrgicos recuperam direito de fazer assembleia dentro da Embraer

Metalúrgicos recuperam direito de fazer assembleia dentro da Embraer

SHARE
Reunião entre representantes do Sindicato, Embraer e PM, no Ministério Público do Trabalho. | Imagem: Sindmetalsjc

Depois de 18 anos, os metalúrgicos da Embraer voltarão a fazer suas assembleias no pátio da fábrica. A conquista foi resultado da reunião entre Sindicato, Embraer e Polícia Militar ocorrida na sexta-feira (27), no Ministério Público do Trabalho (MPT), em São José dos Campos.

O encontro ocorreu a pedido do próprio Sindicato, em razão da repressão que se formou durante a greve dos trabalhadores da Embraer, nos dias 24 e 25. A mando da empresa, homens da Tropa de Choque agrediram dirigentes sindicais e intimidaram trabalhadores para que entrassem na fábrica e colocassem fim à greve. Por enquanto, a paralisação está suspensa.

No MPT, a Embraer assumiu um Termo de Compromisso de Conduta (TCC) em que se obriga a permitir a realização de assembleias no bolsão de estacionamento da Matriz. Desde 2001, o Sindicato estava proibido de realizar assembleias no local.

O MPT também determinou que a Embraer emita um comunicado aos trabalhadores, reafirmando o compromisso assumido junto ao Pacto Global da ONU de “apoiar a livre associação e reconhecimento do direito efetivo da negociação coletiva.”

“Essa é uma vitória democrática de todos os trabalhadores da Embraer que participaram da greve. O direito à liberdade sindical tem de ser respeitado pela Embraer, Boeing ou qualquer outra empresa. A repressão é inaceitável e tem de ser punida”, disse o diretor do Sindicato Herbert Claros.

Luta por aumento real e direitos continua
A greve deflagrada pelos trabalhadores da Embraer foi motivada pela recusa da empresa em aplicar aumento real aos salários e insistir na redução de direitos previstos na Convenção Coletiva da categoria.

A luta para pressionar a empresa a atender as reivindicações dos trabalhadores ainda não terminou. Os metalúrgicos estão em Campanha Salarial e reivindicam reajuste de 6,37%. Também exigem a manutenção das cláusulas que preveem estabilidade no emprego para trabalhadores que adquiriram doenças oucpacionais ou sofreram acidentes na fábrica, além da proibição da terceirização irrestrita na fábrica.

A próxima assembleia da Campanha Salarial já acontecerá no pátio da Embraer.