Home Notícias Trabalhadores da Embraer entram em greve por aumento real

Trabalhadores da Embraer entram em greve por aumento real

SHARE
Os funcionários da Embraer entraram em greve por tempo indeterminado na sede da empresa em São José dos Campos - SP | Imagem: Roosevelt Cássio

Os metalúrgicos da Embraer, em São José dos Campos, entraram em greve nesta terça-feira (24). Esta é a primeira paralisação na fábrica em cinco anos. Os trabalhadores reivindicam aumento real de salário e preservação de todos os direitos previstos na Convenção Coletiva da categoria.

A greve é por tempo indeterminado e foi aprovada em assembleias convocadas pelo Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, no primeiro turno da produção e no turno administrativo, na matriz da empresa. Os salários dos trabalhadores da Embraer estão há quatro anos sem aumento real.

Com a greve, os trabalhadores rejeitam a proposta patronal de aplicar apenas a inflação do período (3,28%) aos salários, acabar com a estabilidade para lesionados e liberar a terceirização irrestrita na fábrica. A reivindicação é de 6,37% de reajuste e renovação da Convenção Coletiva na íntegra.

A cláusula da Convenção Coletiva que garante estabilidade para lesionados foi conquistada pela categoria metalúrgica na década de 1970.

O aviso de greve já havia sido protocolado na Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de são Paulo), na sexta-feira (20), que representa o setor aeronáutico nas negociações com o Sindicato durante a Campanha Salarial.

No início das negociações, a Fiesp havia proposto zero de reajuste e R$ 2.500, rejeitado na mesa pelo Sindicato. Na última rodada, o grupo patronal propôs apenas a inflação, sem abono.

Em sua fábrica de Botucatu, a Embraer propôs reajuste salarial pela inflação e R$ 4.000 de abono.

“Esta greve mostra não só a insatisfação dos trabalhadores com seus salários, mas principalmente que eles estão dispostos a lutar por seus direitos. Apesar de ser uma das mais importantes empresas do país, a Embraer desrespeita seus trabalhadores ao tentar empurrar propostas rebaixadas como essas”, afirma o diretor do Sindicato Herbert Claros.